Você é meu agressor,
Ameaça me matar.
Mas como eu posso te amar,
Se você só me causa dor?

Me prendeu no seu porão,
Me torturou, jogou no chão.
Mas nada disso importa agora,
O meu amor jogado fora,
Se ajoelhe e peça perdão!

Te dei o mundo, no qual se permitiu ver,
Façamos um trato, amigos vamos ser.
Quando menos esperar,
Na noite fria vai passar,
E o silêncio vai reinar,
Enfim eu vou escapar.

Mas eu sinto muito,
Talvez eu vá voltar.
Pela janela de fininho chegar,
A porta de seu quarto aberta está.
Minhas mãos pelos seus cabelos passar,
Você me faz delirar.

Infelizmente você vai acordar,
Vai me prender e humilhar!
Você me bate e quebra enfim,
Mas é a sua forma de demonstrar amor por mim...

Não me importo se vai me estrangular,
Me esfaquear, me dissecar.
De um assassinato me incriminar,
E pra polícia me entregar.
Ainda vou te amar,
E algum dia juntos vamos ficar.

De novo não vou dizer,
Se contigo não posso ficar,
Você dizia me amar e,
Hoje quer me assassinar.

Entendo o que você quer,
Não precisa repetir.
Vou continuar gritando,
Eu não posso resistir.

Enquanto ninguém me escuta,
Eu continuo a berrar.
Se alguém passar na rua,
Espero que venha ajudar.

Agora meu último grito, sinto o sangue em mim pingar,
Sua faca em minha garganta está mais fundo a enfiar,
Além de tudo é todos, hoje eu posso ver.
Se eu não posso te amar, por favor me faça morrer!