O Palhaço - Parte 3 - FINAL

comment2visibility594
Há 3 semanas

Novamente, a fumaça que na minha frente estava, se discipou e formou outra imagem, mas dessa vez, o que vi, não foi algo que me deixasse em dúvida do que aceitar. Não podia dizer não dessa vez... Não podia...

Você deve está pensando como uma criança de 9 anos pode saber de tudo isso... Mulheres, família, dinheiro, uma vida de luxo. De como pode, uma criança apenas, receber esses tipos de propostas de uma criatura dentro de um circo em um dia qualquer.

Não sou do tipo de criança que só curte a escola, os amigos ou passa a maior parte do tempo jogando vídeo game, ao contrário, eu prefiro me isolar de tudo e todos e aprender com tudo que se passa na TV, assim, tudo que me foi proposto já conhecia. Não de modo pessoal claro, mas, por ver todos os dias em programas, filmes, jornais.

Ele sabia disso. Sabia que entendia tudo do mundo. Ele havia me escolhido para continuar seu legado. Foi isso que ele me disse.

Antes de ele me fazer a terceira proposta, me contou que havia me selecionado dentre muitas crianças pois, eu era diferente. Não me relacionava muito bem. Vivia trancado em casa vendo TV e na internet. Gostava daquela vida pois, me sentia bem e feliz assim.

Me disse que era o garoto certo para o cargo. Fiquei sem entender... Que cargo? O que aquele palhaço queria comigo? Como que ele estava conseguindo fazer aquilo? Como ele me conhecia? Eram tantas perguntas, e nenhuma havia resposta.

O que vi naquela densa fumaça não me deixou escolha, não pude pensar, não pude cogitar em dizer NÃO novamente. Na fumaça, vi toda minha família mutilada dentro de nossa casa. Via os corpos dos meus pais em pedaços... Meus irmãos, alguns pendurados pelo pescoço na sala de estar, outros com braços e pernas cortados e espalhados no chão.

Ele então disse:

-Aceite minha proposta, e nada acontecerá com sua família, diga NÃO, e eles ficaram assim em 3 dias. Faça o pacto e todos irão viver bem e você terá uma ótima vida, durante 50 longos anos.

Não pude dizer não. Acenei com a cabeça positivamente. Nesse momento, ouvi uma risada atormentadora próximo ao meu ouvido. Ele então estalou o dedo e me vi em casa com minha família vendo um filme. Levantei rapidamente a cabeça e soltei um grito de desespero assim que recuperei os movimentos de todo meu corpo. Minha mãe se assustou e rapidamente me puxou e me abraçou e disse:

-Foi apenas um pesadelo filho.

Queria que fosse... Mas não era! Depois desse dia, não sentia fome, nem alegria, nem tristeza, apenas um grande ódio e sarcasmo tomava conta de mim. Sentia como se minha alma não existisse, e realmente ela não estava mais lá. Depois que disse sim ao seu pacto, o palhaço tirou minha alma e me tornou prisioneiro dele.

Os anos foram se passando, e eu cada vez mais me isolava. Me envolvia em brigas, confusão e me tornava rebelde a cada dia. Meus pais me colocaram em uma ala psiquiátrica depois que matei nosso cachorro e tirei para fora seus órgãos. Desde então, coleciono fatos bizarras em meu currículo de louco.

Minha insanidade mental foi além do que poderia imaginar depois que matei toda a minha família. De um por um fui mutilando seus corpos e colocando um sorriso lindo em seus rostos. Fui declaro louco esquizofrênico e fiquei trancado em uma sela até então.

Aquela última imagem que vi na densa fumaça, não era algo que o palhaço iria fazer, mas ele estava me mostrando o que eu iria fazer com minha família assim que aceitasse sua proposta, mas não percebi isso.

Após 50 anos do que havia ocorrido, eu estava em minha cela no manicômio da cidade quando ele apareceu. Com aquela roupa colorida, pintura com cores vibrantes no rosto, sorriso atormentador e o cheiro de podre vindo de sua boca grotesca que escorria aquela babá vermelha.

Chegou até mim, e disse:

-Chegou sua hora Pitter! Você precisa fazer o que eu faço, ver o que vejo, sentir o que sinto e viver o que vivo.

Nesse momento, ouvi novamente aquela gargalhada horrível e o estalar de dedo. Olhei para mim, e estava vestido de palhaço com o rosto pintado, dentes afiados e garras em minhas mãos. Havia me tornado meu pior pesadelo.

Começava então minha jornada que não teria fim, até eu encontrar a criança certa para passar adiante meu legado. As que não me agradavam, eu brincava com elas. Me divertindo com suas mentes, porque é isso que sou! Um palhaço divertido que gosta de brincar. E no final de tudo, as mato, e também faço elas matarem suas famílias para mim.

Quando for para o circo com sua família, com seus filhos, com seus pais, cuidado quando o palhaço aparecer. Eu posso escolher a criança que estiver com você para ser meu próximo substituto. Deixar meu legado. Se já tiver ido, preste atenção nele... Quem sabe eu já não o escolhi e você morrerá bem lentamente.

Não se assuste quando ouvir meu nome, apenas ignore. Muito prazer, me chamo Pitter Pennywise, o palhaço dançarino, mas você me conhece como IT... Venha flutuar você também.

Comentários

Anônimo
Que final épico
13/11/2020
Anônimo
É ASSSUSTADOR PRA CRALHO
22/11/2020