Certamente há coisas estranhas, escondidas no mundo. E quando se é um jovem caseiro de um sítio escondido da civilização, essas coisas parecem procurar você. Cresci numa grande, porém humilde família com vários irmãos. Quando alcancei alguma maturidade, a decisão óbvia foi que deveria sair daquela casa e tocar minha vida sozinho. Então a primeira oportunidade de trabalho como um caseiro caiu como uma luva para meus planos.

O trabalho não era muito diferente do que meu pai já me obrigava a fazer em casa. Cuidar das galinhas, alimentar os cachorros... e saber atirar seria também de uma ótima ajuda quando se está vigiando sozinho uma casa. A falta de pessoas morando no povoado também fizera o dono do sítio um pouco desesperado por pessoas disponíveis, o que aceitou de bom grado um caseiro tão novo e inexperiente. Apesar da estranheza original, de viver sozinho num lugar tão afastado, logo consegui me entender bem com o local. Os cachorros já estavam familiarizados comigo e logo me habituei a rotina do sítio. A maioria dos dias se passavam na maior tranquilidade possível, mas claro… há sempre algum caso para testar a sua fé.

Era uma noite como tantas outras, depois de ter passado o dia todo trabalhando o campo, estava descansando na varanda da pequena cabana que morava enquanto observava a lua que se escondia entre as nuvens. Porém, quando pude ouvir os cachorros latindo ferozmente para além da cerca, sabia que minha paz havia acabado.

Não importa se é apenas um animal selvagem mexendo com os cachorros ou se é realmente alguém decidido a invadir o recinto, só há uma coisa a se fazer nessa situação. Pegar uma arma e ir verificar, e foi exatamente o que fiz.

No nervosismo do momento acabei esquecendo de pegar uma lanterna. A noite estava escura pois o tempo esteve nublado o dia todo, mas alguma coisa podia se ver na noite e me contentei com isso, não iria voltar até me certificar que estava tudo bem. Quando pude finalmente observar por entre a cerca, vi a uma certa distância uma mulher, de vestido branco.

Deixei a arma encostada perto da cerca de arame antes de passar pelo portão, não queria assustá-la. Caminhei de encontro à moça que lentamente se afastava de mim à medida que ia me aproximando. Estava claramente sozinha e, pela estranheza de seu comportamento, devia estar com medo de alguma coisa. Fui acompanhando conforme ela se afastava do sítio e entrava no bosque que existia próximo da propriedade, diminuindo a velocidade pouco a pouco. Pude finalmente ver que não estava de branco, mas sim nua.

Sua pele era pálida, branca o suficiente para enganar os olhos curiosos que a espreitam a noite esperando uma vestimenta. Ela agora olhava pra mim com uma certa expressão meio carinhosa, meio maldosa.

— Venha se deitar comigo. — disse ela, ou pelo menos foi o que pude ouvir, baixinho.

Eu era ainda um jovem rapaz com muitos hormônios e não muita sabedoria, por isso confesso que não negociei muito e atendi prontamente o pedido. Ela havia se deitado de lado em uma clareira e eu me aproximei calmamente enquanto afrouxava meu cinto.

Porém, com qual espanto reagi quando percebi que metade do seu corpo era de certa forma… queimada. Uma carne consumida em si e grotesca, que no exato momento me causou uma repugnância que tive de controlar minha vontade de vomitar. A metade direita de seu corpo estava normal, parecia até saudável considerando sua palidez. Mas a outra metade era contorcida, com tendões, músculos e um aspecto de carne viva que perturbava minha mente.

Agora que estava perto pude sentir o cheiro putrefato de carne estragada que embolou meu estômago. Tendo em vista aquela macabra imagem, eu tive uma grande crise de suor e meu corpo todo tremia, sentia como se minha alma estivesse lutando para escapar do corpo e não mais presenciar aquele espetáculo horrível que nenhum corpo humano deveria proporcionar.

Quando voltei minha visão para o rosto da criatura percebi que ela me fitava de forma imersiva. Seus olhos tinham um fogo terrível que se comunicava com os meus medos mais íntimos. Talvez fiquei poucos segundos a contemplar o corpo decaído, mas parecia que uma eterna vida de pecados e luxúria havia se passado perante meus olhos.

Logo pude finalmente voltar aos sentidos e ter de volta controle sobre meu próprio corpo. Dei as costas para aquela imagem terrível e me pus a correr de volta ao sítio. “Se existe carne nessa forma demoníaca e perturbada, uma arma poderá feri-la”, era o que repetia a mim mesmo, quase como se estivesse negociando com a minha sanidade.

Assim que me virei pude ouvir sua risada maligna, e em todos esses anos de vida, nunca ouvi nem ouvirei um som tão amedrontador como aquele. Era um som pulsante e agudo que perfurava meus ouvidos e parecia estar em sintonia com meu coração, que a cada nota dada pela criatura tinha resposta igual no meu batimento cardíaco. Aumentando na mesma medida que o medo tomava conta do meu corpo. Talvez o pior sentimento é que senti seu volume aumentando, deixando claro que ela se levantara e estava me perseguindo.

Conforme me aproximava de novo do portão vi que os cachorros não mais estavam lá, talvez por pressentir o perigo que o demônio que me perseguia representava. O som e o calor da personagem macabra que me seguia era sentido já próximo ao meu ouvido. Passei como um raio pelo portão, capturei de volta minha arma em um único pulo. Me joguei de costas ao chão e virei imediatamente para atirar contra a forma demoníaca, estava disposto a lutar contra todo o inferno pelo direito de continuar vivo. Mas nada poderia me surpreender tanto quando me virei, esperando o pior.

Nada mais estava lá. Tudo parecia calmo como uma igreja. Alguns pássaros sacudiam galhos secos e uns poucos grilos faziam seu som num compasso descompromissado e constante, nenhum sinal do monstro ou sequer um reflexo do que acabara de acontecer. Os cachorros que estavam recolhidos finalmente voltaram como se nada tivesse acontecido.

Imaginei que tudo não passara de uma alucinação minha e voltei a minha pequena cabana para dormir. Porém, no dia seguinte, fui na clareira onde o espírito havia me levado e com qual surpresa não percebi que o local onde o demônio havia se deitado estava queimado, fazendo o contorno de sua horrível forma na grama.

Nunca mais tive o desprazer de encarar a criatura de novo. Coisas estranhas sempre acontecem por aqui, mas desse encosto eu havia me visto livre. Porém, as vezes não consigo deixar de me sentir vigiado, quando suspeito ver alguma figura na janela me observando dormir a noite.