Seu abraço, acolhedor.
O fim do seu sorriso é como ver o Sol se pôr.
Você rouba minha alma como um ceifador
E meu coração como meu mentor.
Tire minha dor!
Os mosquitos voam em volta como se tivessem sensor.
Grito sentimentos com muito ardor.
Terror,
Sentimentos voam em fervor,
Chocando-se uns aos outros com horror.
Fedor,
O cheiro aprodrecido do último domador,
Aquele que é conhecido como agressor,
Ele caça meu corpo como um caçador,
Seguindo meu cheiro como um manipulador.
Bagunçado, eu não era um organizador.
Às vezes a cabeça provoca dor,
Principalmente para o cultivador,
Aquele que cultivava meu vigor.
Os olhos se fechavam com o calor,
Era meu último dia de pavor,
Era tarde demais para me opor,
Era tarde demais para sentir pudor.
Você se transforma em apenas um odor,
A decomposição era uma beleza, inovador.
Eu era um sugador,
Sugando todo seu sangue com labor,
Suas visceras eu posso expor,
Esculpindo seu corpo com minhas mãos como um escultor.
O puz me lembra licor.
Vou me deitar por cima para fazermos muito amor,
Com o vermelho do seu sangue posso ser um ótimo pintor.

Acho que cansei de você,
Vou colocá-lo junto aos outros
No abatedor.