O Álbum de Fotografias do Vovô

comment0visibility126
Por Jeren
Há 1 mês

Minha filha, Anne, havia acabado de entrar no curso superior de fotografia, dava para ver em seus olhos brilhando sempre ela tirava fotos, ela disputou a vaga com ferocidade, ela era o orgulho da família. Assim como ela, todos nossos parentes tinham interesses em fotografia, era como se fosse hereditário, trabalhei na área por bastante tempo, sempre que o assunto era casamento, festas e bebês, me chamavam como "Senhorita Álbum". Eu sempre ficava lisonjeada com os elogios e sempre dava meu melhor para não decepcionar meu pai, que também amava tirar fotos. A casa da minha família sempre tinham retratos nossos penduradas em todas as paredes, sem contar com todos os álbuns que todos nós guardamos como troféu, adorávamos exibir as fotos para quem quer que fosse visitar nossa casa, afinal, éramos "a família fotografia". Infelizmente, nós passamos por uma fase bem difícil, muitos parentes próximos haviam desaparecido em um intervalo de poucos anos, conseguimos superar tudo que aconteceu, mesmo depois do caso ser fechado pelos policiais.

Em um certo dia, Anne, logo depois de voltar de sua aula, correu para minha direção, me perguntando se havíamos fotos antigas no qual a ela poderia restaurar, eu digo que sim, um pouco exitante e perguntei o porquê, ela disse que era um trabalho do curso e que precisava terminar antes que a semana acabasse, eu consenti e à levei até o sótão, um lugar que escuro no qual não havia nada além da porta de entrada e várias prateleiras empoeiradas, caixas empilhadas e uma pequena lâmpada de led branca pendurada no teto, as caixas eram onde haviam todos os álbuns do meu pai, que infelizmente faleceu quando minha filha havia completado quinze anos, a única coisa que temos dele agora são esses álbuns fotográficos, alguns são em tons de amarelo, pois o mesmo seguiu a carreira de fotógrafo à muito tempo, eu não tinha o mínimo de interesse para ver eles, mas esperava que Anne aproveitasse e fizesse um ótimo trabalho para o curso, já que ela veio de uma família de fotógrafos.

Eu abri a porta do Sótão e a deixei sozinha, tudo que sei foi que ela estava muito animada, abriu todas as caixas e folheou todos os álbuns, ela havia ganhado o dia ao achar um livro de couro no qual havia cravado "Anne", ao abrir a primeira página, havia fotos da mesma na maternidade, nada de estranho, já que ele havia tirado várias fotos dela no dia, ela estava usando um macacão amarelo enquanto domia, ela virou a página novamente e havia fotos de seu aniversário de um ano, eu havia convidado todos da rua para a festa dela na nossa casa, novamente ela folheia e agora ela havia dois anos nas fotos. Pelo que parecia, à cada página, somava-se mais um ano para as fotos.

Anne ficou emocionada, já que ela sempre mencionava que achava que seu avô não se importava, agora ela estava folheando um álbum que seu avô havia feito para si mesma. Ela chegou na última página do álbum, a última foto que seu avô tinha tirado antes de falecer, era a foto de Anne se formando com quinze anos no Ensino Fundamental, ela encarou a foto por alguns minutos, percebendo o máximo de detalhes que conseguia, quando ela é surpreendida pela queda de energia, estava um breu, não entrava nem um feicho de luz sequer no lugar onde ela estava, Anne tentava alcançar alguma coisa que pudesse à sustentar, pelo menos até a luz voltar, ela pacientemente esperou até que a luz branca piscou rapidamente, como um flash de uma câmera, e voltou a iluminar novamente.

O álbum, que foi jogado no chão como uma ação automática pelo susto que havia tomado, foi recolhido por Anne. Não sei o que ela estava pensando no momento, mas tenho certeza que ela se assustou, o número de páginas parecia ter duplicado, pelo que eu havia visto, Anne suspirou, se sentou, e continuou folheando o álbum, virou a página e cambaleou para trás boquiaberta, lá havia uma foto dela com dezessete anos, ela com certeza achou estranho, pois seu avô morreu quando ela completava quinze anos, e pela sua expressão, nem passou para a cabeça dela que eu poderia ter tirado a foto, mas mesmo que ela pensasse, não foi eu. Com uma ação repentina, ela começou a virar várias páginas rapidamente, até seus olhos se arregalarem com o que havia visto, havia uma foto dela folheando um álbum com capa de couro estampado "Anne". A mesma jogou o álbum no chão e antes que pudesse fazer qualquer coisa, as luzes se apagavam e acendiam novamente, como vários flashs de várias câmeras. Eu, no cômodo que estava, escutei os gritos da mesma e corri para o sótão à socorrer.

Você deve estar se perguntando "'como você sabe detalhadamente sobre tudo isso que havia acontecido com ela?", a resposta é bem simples, quando cheguei ao sótão, vi o álbum de couro e lá estavam as fotos que narravam tudo que havia acontecido ali, eu havia ligado para a polícia, ficamos muito tempo procurando-a, durante vários e vários anos, mas assim, como todo caso de desaparecimento da nossa família, o caso de Anne havia sido fechado.

Hoje estaria completando 8 anos desde a última vez que a vi, sinto um vazio dentro do meu peito, como se faltasse algo, eu perdi a minha filha. Como uma rotina, eu subo ao sótão e vejo se Anne havia retornado para casa, não podia acreditar que aquilo tinha acontecido, mesmo depois de anos, mas dessa vez, algo havia prendido minha atenção naquele exato momento, não sabia o porquê daquilo ter ocorrido justo hoje, mas eu abri uma das caixas empoeiradas, a última coisa que Anne revirava antes de desaparecer, haviam vários álbuns de couro, eu sabia que reconhecia todos os nomes, mas justamente um me chamou atenção, estava meu nome cravado nele.