Chovia muito forte naquela noite, muitos raios e trovoes,um barulho ensurdecedor, porem o barulho que mais me incomodava eram as vozes que ecoavam na minha mente, vozes que me atormentavam dia e noite Meu nome é Calos, eu era um morador de uma pequena cidade que tinha 900 habitantes, pessoas legais e humildes,porem como cidade pequena existia aqueles vizinhos chatos e irritantes. Essa cidade se localizava no interior de “São Paulo”. Eu era muito feliz até que meus finados vizinhos se mudaram para casa ao lado, eles eram uma família infeliz porem se mudaram para casa errada.

Minhas tardes de paz já não existiam mais, aquelas malditas crianças me atormentavam, rindo e fazendo barulhos, eu odiava a risada daquelas crianças infernais, os pais delas se passavam por santos e politicamente corretos, eu sentia um ódio tremendo, eu odiava tudo neles, a cada dia que se passava as vozes falavam mais alto, eu já não aguentava mais, quando eu estava a beira da loucura uma voz sombria e macabra falou em alto e bom som:

-Você que ficar em paz então mate aquela família da maneira que nos mandarmos. Aquela voz congelou minha alma se é que eu tinha uma, isso me deixou completamente imóvel, quando eu decido me mexer, percebo que algo atrás da porta me olhava fixamente, nunca vou esquecer aquele par de olhos vermelho sangue e que não possuíam pupilas.

Eu fiquei o dia todo preso em meu quarto pensando no que fazer, quando a noiteceu a voz voltou a falar repetindo a mesma pergunta.

“-Já tomou sua decisão? Prefere matar ou morrer?”

“-Já tomou sua decisão? Prefere matar ou morrer?”

“-Já tomou sua decisão? Prefere matar ou morrer?”

Eu não aguentei e disse.

“-Sim seu infeliz ! Vou fazer o que for necessário para que vocês me deixem sozinho !

Eu sai atormentado de minha casa, como tinha passado o dia todo trancado eu não tinha percebido que havia começado a chover, estava chovendo muito forte muitos raios e trovoes, porem mesmo de baixo de uma tempestade eu decidi acabar com a vida daquela pobre família.

Chegando perto da casa dos meus vizinhos eu avistei uma pá que ele usava para cavar buracos em seu terreno, então eu peguei a pá e fui me aproximando da casa, não precisei arrombar pois ela estava levemente encostada, então fazendo pouco barulho eu entrei na casa. Quando a mulher de meu vizinho vê que eu entrei, ela grita e um relâmpago cai no quintal da casa, deixando o clima mais assustador

Quando eu corro em direção a esposa algo me chama atenção e eu paro, quando eu olho para o meu lado.