Assim que cheguei do trabalho, automaticamente fiz o que já estava habituado a fazer todos os dias. Deixei minha pasta em cima da mesa e fui para o quarto pegar minha toalha para tomar um banho relaxante.

Já era algo costumeiro de se fazer. Após o banho, vesti algumas roupas mais leves e fui a cozinha preparar algo para comer antes de dormir. O dia havia sido fadigante e estressante, queria apenas relaxar naquele momento.

Enquanto estava na cozinha, ouvi um barulho estranho vindo do porão da casa. Parei o que estava fazendo e me atentei a ouvir o estanho som. Era como algo metálico rolando no chão, isso me deixou um pouco nervoso, então cautelosamente deixei meu lanche e fui em direção a porta que dá acesso ao porão da casa.

Desci as escadas devagar com a lanterna do celular acesa olhando atentamente procurando alguma movimentação no escuro do lugar. Assim que consegui alcançar o interruptor, o liguei e olhei em volta, mas nada havia lá, apenas algumas coisas velhas que guardo. Talvez fossem apenas ratos procurando por algum alimento. Fiquei com isso na cabeça para não criar paranóias, pela manhã colocaria algumas armadilhas para resolver o problema.

Subi e voltei a cozinha para terminar meu lanche, estava cansado e precisava me deitar, tinha está cedo no trabalho amanhã. Terminei meu lanche, escovei meus dentes e fui para o quarto. Ainda estava realmente cedo, olhei e ainda eram 19:30h. Para alguns esse horário não é hora de está na cama, mas meu corpo não deixava-me ir mais além.

Assim que deitei, já quase perdendo a consciência para um sono profundo, ouvi passos pela casa que me fizeram retornar com força a realidade. Me levantei e sentei na cama prestando atenção nos passos. Eles começaram a se aproximar mais e mais da porta do quarto. Me levantei e peguei um bastão de baseball no armário e me preparei para o pior.

Os passos pararam em frente a porta do quarto. A sombra de alguém na fresta debaixo não se movimentava, apenas ficou ali, parado, sem alguma reação, como se tentasse ouvir algo.

Pensei em abrir a janela e saltar para fora com a intenção de me salvar de algo, mas meu quarto fica no segundo andar da casa e a queda poderia ser fatal ou poderia quebrar algum osso das pernas, facilitando ainda mais algo os planos do invasor.

Quando estava planejando um jeito de sobreviver a algo que pudesse acontecer, um estalo forte de tiro fez com que a maçaneta da porta se despedaçasse fazendo com que toda a proteção que a segurava de alguém entrar, fosse desfeita.

Um chute forte fez a porta se abrir violentamente e alguém alto adentrou rapidamente. Tentei acertá-lo com o taco de baseball, mas um disparo me fez cair no chão um pouco desnorteado.

Outros homens entraram no quarto e me algemaram, me colocaram de pé e me levaram para fora da casa. Andei com dificuldade por conta do tiro que acertou minha perna. Haviam várias viaturas da polícia, alguns repórteres e várias pessoas aglomeradas em frente a minha casa.

Quando saímos, vi os policiais que haviam entrado em minha casa. O que estava me levando começou a falar sobre a ligação que minha esposa havia feito a eles uma hora atrás pedindo ajuda e que só assim eles descobriram tudo.

Poderia imaginar que em algum momento eles iriam encontrar os corpos da minha esposa e do meu filho no banheiro da casa, e pra falar a verdade, eu já esperava isso. Mas o que mais me intriga até agora é saber como minha esposa ligou para a polícia uma hora antes se eu os havia matado a uma semana atrás, e seus corpos já estavam em estado de decomposição.