Sempre fui um garoto tolo,
Dependia de abraços,
Dependia de consolo.
Não gostava de amassos,
Porque meu amor era em formato de bolo.
O garfo e faca cortava os laços.
Aquele prato de ansiedade acalmava meu miolo,
Como tudo com voracidade, sem deixar traços.

Come, come, prazeroso.
Socializar às vezes me faz ficar guloso,
O prato era irresistível, gostoso.
Eu como coisas inexplicáveis, prato viscoso.
Minha boca é um caminho poroso,
Come tudo o que eu considero saboroso.
Aquele milkshake me parecia cremoso,
Comer me faz sentir vitorioso.

Minhas pernas foram consumidas pela gordura,
Eu já não conseguia mais andar.
Eu estou em um momento de amargura,
Aquele hambúrguer tem tudo para me curar,
Este cookie estava uma doçura,
Será que eu ainda vou viver o bastante para aproveitar?
Os padrões estáticos não são mais uma ditadura,
Então não há saúde que possa me segurar.

Meu corpo era imensurável,
De forma que eu não posso mais parar.
A fome era insaciável,
A comida sempre estava à inovar.
Toda aquela comida continua agradável,
Meu estômago estava à esticar.
Minha boca é tão grande,
Ela poderia, o mundo, devorar.