Poderia ter sido mais um final de semana normal como todos os outros, mas as coisas não saíram como planejado, pelo menos não para mim, e nem para ela. Eu a conheci há alguns meses, linda, inteligente, extrovertida e com um futuro brilhante pela frente, sabia disso, afinal, eu era um de seus professores na faculdade.

Cabelos vermelhos, olhos verdes e uma pele morena linda e como nenhuma outra. Apaixonei-me por ela logo quando o segundo período das aulas de medicina começaram. Tudo que havia nela foi me encantando pouco a pouco e me conquistando a cada dia. Estava tirando boas notas e faltava pouco tempo para se formar e seguir a carreira que ela tanto estava buscando com muita dedicação e esforço.

Um dia tomei coragem e, assim que tocou o sinal do intervalo, fui falar com ela e perguntar se não gostaria de sair comigo. Não tínhamos uma diferença tão grande de idade, me formei ainda jovem e logo consegui uma vaga para lecionar aqui, por isso não estava tão preocupado com isso. Ela nunca se mostrou interessada em mim, por mais que fosse sempre gentil e gostasse de conversar nas horas vagas para tirar algumas dúvidas, nunca veio com segundas intenções ou querer vantagens para conseguir boas notas.

Só que uma coisa atrapalhava em tudo isso, eu era casado e tinha uma família, mas pensei comigo que talvez isso não importasse para ela, e estava certo. Começamos a conversar e notei que ela havia dado uma brecha para eu a convidá-la a termos um momento mais íntimo e a sós. Eu joguei o convite e ela aceitou, mesmo sabendo que era casado, e demonstrava continuar sem interesses até então.

Dei uma desculpa para minha esposa e passei a noite no apartamento dela. Fizemos amor várias vezes, realizando vários desejos e fetiches que tinha, mas somente algumas semanas depois as consequências dos meus atos viriam à tona. Ela começou com alguns enjoos e tonturas, faltou alguns dias e as suspeitas depois de um teste foi confirmado, ela realmente estava grávida.

Aquilo que parecia uma fantasia sexy e atraente estava se tornando um pesadelo. Não poderia deixar isso ir adiante, minha carreira como professor, meu emprego e meu casamento estavam em jogo e precisava dar um jeito nisso antes que fosse tarde demais. Ela não iria ficar de boca fechada, logo, logo contaria a alguém e tudo acabaria para mim. Foi quando pensei e tive a estúpida ideia de matá-la.

Tirei um final de semana para irmos à praia à noite enquanto dava a desculpa para a minha esposa que iria ficar no colégio até tarde vendo algumas provas para aplicar aos alunos segunda pela manhã. Fui até seu apartamento depois fomos em direção a praia que aquela hora já estava deserta. Ela estava animada, pois havia dito que iria se separar da minha esposa para ficar com ela, claro, a desculpa de todos.

Andamos um pouco pela areia fria e, quando vi que já estávamos longe da civilização mais próxima, a golpeei com uma faca que atravessou seu peito. Ela caiu no chão tentando correr, mas antes que desse algum grito de socorro, cortei sua garganta fazendo-a agonizar até morrer. Após alguns segundos vendo seu corpo morto na areia, peguei ela em meus braços e entrei no mar levando o mais longe que pude, deixando apenas a água se encarregar do resto.

Voltei ao carro e dirigi em direção ao colégio onde já havia deixado tudo organizado com roupas limpas. Após algumas horas voltei para casa e continuei a vida como se nada tivesse acontecido. Estava feliz por tudo ter acabado e nada ter dado errado. Vi as notícias que saíram no decorrer da semana mostrando que o corpo da jovem havia sido encontrado há vários metros de onde eu havia deixado. O colégio ficou um dia sem aulas em luto pela aluna, para mim estava tudo bem.

Depois de já ter passado algumas semanas, estava tudo indo bem quando fomos à praia relaxar um pouco após dias de muito trabalho. Minha esposa estava brincando com nossa filha quando olhei e vi em uma pedra uma mulher sentada. Aquilo chamou minha atenção ao ponto de ficar prestando atenção somente naquilo.

Assustei-me quando vi que ela não tinha pernas, mas uma cauda de peixe. Fiquei aterrorizado com aquilo, foi quando ela saltou para dentro do mar sumindo da minha vista. Levantei e fui em direção da pedra e de onde ela havia pulado, foi quando a vi saindo de dentro da água, linda, deslumbrante e incrível. Ela era morena, com cabelos vermelhos, olhos verdes e um sorriso radiante.

Veio e se aproximou de mim. Vi que minha esposa estava entretida com nossa filha e não estava vendo, olhei para ela e me senti totalmente atraído por sua beleza. Ela tocou em meu rosto e senti algo totalmente diferente, algo que nunca havia sentido antes na vida. Olhei para todos os lados e não via mais ninguém, apenas eu e ela na praia deserta, mas estava escuro, não era mais de dia. Olhei para o lado e me vi segurando a jovem aluna nos braços morta e levando para dentro do mar.

Queria correr e gritar, mas não conseguia, estava preso ali. Senti quando a sereia pegou na minha mão, olhei para ela, então foi aí que percebi, era a jovem aluna que eu havia matado. Mas como isso estava acontecendo? Ela foi andando para dentro do mar e eu ia junto com ela, estava totalmente entregue a sua beleza e só pensava em uma coisa, ficar junto dela para sempre.

Ela então mergulhou e me levou para o fundo do imenso e violento mar para nunca mais voltar.