Bom, o que irei contar agora talvez esteja muito além de sua compreensão humana, mas não podemos mais esconder, todos precisam saber disso antes que seja tarde demais.

Trabalho em uma plataforma de petróleo há quatro anos e já havia se tornado algo rotineiro todos os dias às 6h da manhã eu me levantar, escovar meus dentes, tomar meu café e estar na plataforma às 7h. Sempre fui uma pessoa que procurava fazer tudo certo e com a maior segurança possível, afinal, era um trabalho que como qualquer outro, tinha seus perigos.

Há mais ou menos um mês, comecei meu dia como todos os outros, levantei no horário certo, tomei meu café e fui para o trabalho. Tom, o meu supervisor, já havia chegado e já estava em seu escritório esperando apenas sua equipe chegar para começarmos os trabalhos do dia. Éramos uma equipe de oito pessoas dentre seis equipes divididas em turnos diferentes, cada um com uma função, mas que se interligavam entre si. Duas equipes eram responsáveis por cada turno: manhã, tarde e noite.

Existem dois tipos principais de plataformas de petróleo no mar: as de perfuração e as de produção. As do primeiro grupo servem para encontrar o óleo em poços ainda não explorados, uma tarefa nada fácil, que tem início com uma série de pesquisas geológicas e geofísicas que localizam bacias promissoras e analisam os melhores pontos para perfurá-las. Mesmo assim, ninguém pode garantir a real existência de petróleo. No fim das contas, menos de 20% dos poços perfurados são aproveitados.

As plataformas de produção, por sua vez, entram em cena quando um poço já foi descoberto e está pronto para ser explorado. São elas que efetivamente extraem o petróleo localizado no fundo do mar, levando-o à superfície, onde o óleo é separado de outros compostos, como água e gás. Dependendo da profundidade em que se encontra o poço, podem ser construídos dois tipos de plataforma de produção: as fixas e as flutuantes (chamadas de semi submersíveis). As fixas são instaladas em águas rasas (até 180 metros) e ficam ligadas ao subsolo oceânico por uma espécie de grande “pilar”. Já as flutuantes possuem cascos como os de um navio e servem para explorar poços que se localizam em lugares muito profundos. Trabalhava com minha equipe na plataforma de perfuração.

A essa altura você deve estar bocejando e achando isso a maior chatice do mundo, mas essas informações são necessárias para que você compreenda tudo da melhor forma possível.

Assim que todos chegaram fomos para a plataforma já nos preparar para começar as perfurações. Depois de uma minuciosa pesquisa geológica, foi descoberto poços de petróleo a cerca de dois mil metros de profundidade da superfície no mar de onde estávamos. Ficamos um pouco receosos de fazer uma perfuração tão grande assim, pois era a primeira vez de todos ali que iríamos perfurar tão profundo, mas era nosso trabalho e todos já estavam acostumados com isso.

Iríamos dar início e as outras equipes nos próximos turnos, iriam continuar até conseguirmos alcançar os poços. Seria um trabalho de algumas semanas e tudo estava indo bem, até que os aparelhos de perfuração começaram a mostrar sinais de que estavam com pouca força. Já haviam se passado duas semanas e já estávamos com cerca de mil metros perfurados, mas algo aparentava estar errado naquele momento.

Os aparelhos de pressão de uma hora para outra começaram a ficar sem controle apresentando resultados inexistentes e inconclusivos. Puxamos rapidamente toda a broca do subsolo para tentarmos entender o que estava acontecendo. Assim que ela chegou à superfície, notamos que estava cheia de uma gosma escura e fétida e com suas lâminas corroídas, como se tivesse perfurado algo de metal. Todos nós nos assustamos com aquilo e ficamos tentando entender o que poderia ter gerado a lentidão da broca.

Arthur, o engenheiro que era responsável pelos aparelhos sonoros das máquinas, chegou correndo pedindo para que nosso supervisor ouvisse algo que foi captado a mais de mil metros pela broca. Assim que ele reproduziu o som, um frio subiu em minha espinha e todos ficaram apavorados. Eram gritos de milhares e milhares de pessoas como se estivessem sofrendo de uma agonia sem fim. Muitas pediam por misericórdia, outras choravam e gritavam de dor, algo realmente assustador que deixou todos perplexos e aterrorizados. Havíamos descoberto algo que ia além de nossa compreensão humana e religiosa, algo que muitos duvidariam e não acreditariam, mas que estava sendo real para todos nós ali.

Antes mesmo de chegarmos a uma conclusão insana e sobrenatural daquilo ou algo pior pudesse acontecer, Tom chamou todos nós para pensarmos em alguma forma de tapar o buraco novamente, algo que seria quase impossível por conta da profundidade que já havíamos alcançado. Via em sua face o medo e o pavor, aquilo realmente havia o assustado, e não só ele, mas todos que estavam ali. Mas antes que pudéssemos pensar em algo, a gosma escura que estava na broca rapidamente se transformou em uma fumaça densa e uniforme se dividindo em várias outras e vindo para cima de todos.

Aquela fumaça negra entrava pela boca dos que ela alcançava e possuía com algum tipo de demônio fazendo da pessoa seu hospedeiro. Muitos foram possuídos, mas outros conseguiram escapar, incluindo a mim e conseguimos pedir ajuda. Alguns dos grupos governamentais se envolveram para não gerar tumulto nas mídias e tudo passou a ser sigilo. As pessoas que haviam sido possuídas foram levadas para laboratórios para passarem por testes e descobrirem mais a respeito do que havia sido descoberto, mas isso não foi uma boa ideia.

Alguns dos possuídos acabaram matando as pessoas que estavam no laboratório e, consequentemente, conseguindo escapar. Não sabemos exatamente do que eles são capazes e quais são suas reais intenções, mas sabemos que eles têm sede de sangue e morte.

Tudo não passou de um acidente e que infelizmente saiu do controle. O que acordamos aqui não é deste mundo e está cheio de ódio querendo apenas hospedeiros para saciar sua sede de sangue. Somente pedimos que não entrem em pânico, fiquem em suas casas e tentem não sair, tranquem bem suas portas e janelas e não abra para pessoas que você não conhece. Eles estão espalhados por aí e pode ser qualquer um, apenas preste atenção nos sinais.

Os possuídos possuem uma mancha negra no canto dos olhos, se vir alguém assim tente correr e torça para que ele não te alcance ou você terá um triste fim. Já estamos trabalhando para tentar resolver essa situação e espero que consigamos, pois as vozes e gritos de agonia continuam e a cada dia ficam cada vez mais perto da superfície. As portas do inferno existem, e infelizmente nós a abrimos por engano, Lúcifer pode chegar a qualquer momento, esteja avisado.