Desordem

comment2visibility490
Há 1 mês

Não pude os vê-los chegar, nem sequer pude senti-los devorando uma camada da minha mente. Cada um deles com seus estranhos hábitos, anseios e paladar.

Me vejo dividido em centenas de fragmentos do obscuro de minha consciência, nada mais é segredo, obtive acesso aos confins do subconsciente humano. A desordem elétrica a qual o cérebro funciona quando vista de perto é de um deslumbre desumano, cósmico e sombrio.

Quanta bobagem.

Todos eles se acham superiores um ao outro, não percebem que somos o novo Jacky e Hyde moderno. Todos nós que habitamos este corpo humano, como uma legião em um só templo, um culto desvairado que clama por si próprio, sem deus ou salvador, apenas; destruição e loucura.

Quanta repugnância.

Dividir esse pequeno espaço coberto por carne com todas estas coisas fragmentadas que nem sequer podem existir fisicamente. Somos apenas o que restou de uma mente que não pode mais existir por conta própria e a cada minuto ela se dividi mais, até que a sua essência se perca nos confins de eterno sono.

Somos apenas espelhos.

O reflexo daquilo que se mantem escondido por de baixo de muitas consciências humanas, somos à vontade, a loucura, o anseio e o medo. Somos quem enxerga quando você finge não olhar.

Mas quem de nós é a essência? De onde viemos, quem veio antes?

Somos agora uma legião, uma orgia de consciências que lutam entre si para obter uma posição entre a luz da pupila deste corpo humano, destroçamos e remontamos cada parte sob a mente desta criatura, se alimentando um dos outros enquanto o corpo se move abastecido pela desordem e loucura.

Vire-me de lado e eu sou tudo. Corte-me pela metade e eu sou nada. Quem sou eu?

8.

Somos oito fragmentos, e ao mesmo tempo de nós surgem centenas, somos infinitos.

Eu posso correr sem nunca me cansar. Eu posso nadar sem nunca me molhar. Eu sigo você em todo lugar sem nunca falar. Quem sou eu?

Sombra.

Somos sua sombra, e você já não pode mais se livrar de nós.

Comentários

Anônimo
Um poema intrigante, pertubador que nos faz questionar nossa própria sanidade! Como sempre foda!!!
28/10/2020
Anônimo
Muito bom!
31/10/2020