Papai me pediu para eu escrever uma carta para o Papai Noel, então pedi nela para que o Papai Noel desse um emprego para meu pai em algum hospital, não aguentava mais o papai trazendo os corpos de seus pacientes aqui pra casa.

Papai tinha um quarto onde ele guardava seus pacientes, ele nunca me deixou entrar lá, mas um dia ele esqueceu aquele quarto aberto, minha curiosidade falou mais alto, então entrei naquele lugar no qual nunca queria ter entrado.

Tinha muitos corpos lá, todos estavam dentro de sacos transparentes e com datas e nomes escritos nos sacos, eu não entendia o porquê disso tudo, porque papai trazia seus pacientes aqui pra casa, eu sempre perguntei isso pra ele mas ele nunca me dava uma resposta que eu acreditasse, o primeiro corpo que eu vi foi de Jane, tão jovem e tão bela, oque mais me chamou a atenção nela foi um piercing pequeno que ela tinha no umbigo, eu queria tanto tocar nele, nunca tinha visto alguém com um piercing desse jeito mas papai poderia chegar a qualquer momento então resolvi sair e fechar a porta como se nada tivesse acontecido.

Como era véspera de natal, papai tinha saído para comprar algumas coisas para nossa ceia, assim que ele chegou ele foi direto fazer nossa janta e eu fui para meu quarto como sempre jogar em meu Atari, assim que a janta ficou pronta papai me chamou e eu desci correndo para ver oque ele tinha feito, ele fez uma carne que eu nunca tinha, mas cheirava muito bem, então me sentei-me à mesa e peguei um pedaço daquela carne suculenta, papai estava com um sorriso que ia de uma orelha para outra, achei estranho, papai não é de sorrir muito, assim que coloquei um pedaço daquela carne na boca e dei minha primeira mastigada eu senti algo duro, quase quebrei meu dente com isso, então cuspi essa coisa na minha mão e me senti confuso e ao mesmo tempo feliz, pois finalmente eu estava tocando no pírcingue de Jane.