Caro Escritor

comment8visibility155
Há 1 mês

Caro escritor.

Já faz um bom tempo que eu não vejo ele, estaria mentindo se dissesse que não sinto sua falta, pois eu sinto. Sinto falta de me sentir viva, de ser taxada como sua mais linda obra prima. Esses sentimentos são mais do que palavras escritas em um caderno de capa simples, são para mim a doce e pura vontade de se existir. Sem eles, nada faz sentido, minha existência se torna fraca e inútil, não tenho vontade nenhuma de continuar minha história.

Páginas em branco, meus pensamentos são escritos por uma caneta invisível, não existe nada para ocupar o espaço vazio em minha mente, nem tristeza consigo sentir. Me restam apenas memórias. Memórias que deixei para trás, lugares que antes eram cheios de cores, hoje não restam mais. Pessoas tão cheias de vida, hoje não vivem mais. Sinto saudades do meu cotidiano e as pessoas que nele se conectavam. Às vezes ouço vozes mas não às reconheço, é como se elas nunca existiram, mas por algum motivo ficaram marcadas em minha mente. Ouço sons de animais, latidos? Pios? Quacks? Não sei ao certo, me esqueci a natureza desses animais, suas formas físicas sumiram como pó levado ao vento.

Tenho arrependimentos dos quais marcaram meu coração, me arrependo de não ter vivido melhor, de não ter me expressado melhor para você, talvez se eu tivesse aberto meu coração, você não teria abandonado minha história. De vez em quando eu sonho acordada, não vejo nada e não sinto nada, mas ouço alguém chorando, é muito baixo, quase não dá para escutar. Certo dia resolvi procurar de onde vinha esse som, não consigo chorar desde o dia em que ele se esqueceu de mim e jogou fora o único registro da minha história. Eu procurei diversas vezes pelo som, mas nunca encontrava. Foi quando coloquei a mão onde seria o meu coração, eu sempre insistia em colocar a mão lá. Para talvez sentir algo e voltar a ter o sentimento da minha antiga realidade, mas como sempre, o nada era predominante.

Não hoje, eu finalmente senti uma pulsação, foi tão inesperado que nem prestei atenção no chiado que ele transmitia...Não era um chiado qualquer, meu coração estava chorando. E pela última vez eu senti, que aquela era a última vez que eu iria sentir alguma coisa. Uma queimação se alastrou em meu interior, me lembrei de como era o fogo e a sensação que ele transmitia. Mas por alguma razão, eu não me sentia bem, minha visão foi abalada pelas cinzas que subiam. Por fim, não senti mais nada.

Com o passar do tempo, fui deixando de existir, em algum lugar do mundo, o caderno que tinha a minha história foi queimado para fazer uma fogueira.

Fim.

Comentários

Anônimo
Gostei muito de escrever esse, espero que vocês gostem :3 ~ Black
28/09/2020
Anônimo
Aaa muito bom!!
28/09/2020
Anônimo
Palmas!
28/09/2020
Anônimo
Magnífico!!
29/09/2020
Anônimo
A perspectiva do personagem...nunca tinha pensado nisso antes, ficou muito bom e criativo!
01/10/2020
Anônimo
parabéns, é incrível!
01/10/2020
Anônimo
Ótimo, ótimo!
01/10/2020
Anônimo
caracas,muito profundo,bem legal!
20/10/2020