Dibbuk - A Caixa da Morte

comment0visibility112
Há 4 meses

Sua criação é bem antiga, trata-se de uma caixa de vinho, mas devido a bastantes investigações ela esconde algo bastante horrível, um “Dibbuk“.

Um Dibbuk na religião judaica, é um espírito que devido a seus pecados vagueia incansavelmente até encontrar um refúgio em um corpo humano.

Antes de começarmos a falar dos portadores da caixa, irei descrever o que ela contém.

  • Uma moeda americana de 1 centavo de 1928;
  • Uma moeda americana de 1 centavo de 1925;
  • Um castiçal de ferro fundido com pernas de polvo;
  • Um copo de vinho de ouro;
  • Uma estátua de granito com letras hebraicas gravadas em dourado;
  • Uma pequena mecha de cabelo loiro amarrado por uma corda;
  • Uma pequena mecha de cabelo preto amarrado por uma corda;
  • Um botão de rosa seco.

Agora iremos falar do primeiro portador da caixa, Kevin Mannis. Ele era proprietário de uma pequena loja de móveis, um dia na intenção de achar algo para revender, acabou parando em uma venda de garagem, onde encontrou a caixa de vinho. Quando finalizou a compra ele recebeu um aviso da vendedora, que, em hipótese alguma deveria abrir a caixa, pois continha um “Dibbuk“. Kevin notou que a moça tinha uma ligação com caixa, tentou devolver, mas a moça não aceitava, ele pegou suas compras e levou para sua loja.

Alguns dias depois, Kevin viajou a trabalho e sua funcionária, Jane Howerton, cuidava do local. Em uma inspeção diária, Jane desceu até o porão, onde Kevin guardava alguns objetos, logo após, escutou um barulho de vidro quebrando. As luzes do local começaram a falhar, um fedor tomou conta do local e grandes objetos foram arrastados ou derrubados.

Jane desesperada, ligou para Kevin que ainda estava em viagem e preocupado com as palavras que sua funcionária acabara de lhe dizer. Quando chegou de viagem foi imediatamente para sua loja, e Jane estava totalmente abalada e se escondia atrás do balcão, não se sabe ao certo por quanto tempo.

Pelo que se sabe, Jane nunca mais voltou a trabalhar na loja e Kevin não relacionou os acontecimentos com a caixa. Durante um tempo isso ficou muito quieto, mas logo logo seria o aniversário da mãe de Kevin, e como presente, resolveu restaurar a caixa e dar de presente para ela.

Quando Kevin entregou o presente para sua mãe, logo ela teve um derrame. Ela ficou com metade do corpo paralisado e por muito tempo não falava, em alguns momentos ela apontava para a caixa com um jeito estranho, indicando que não havia gostado do presente. Kevin logo percebeu e pegou a caixa de volta, em uma tentativa falha de tirar a caixa de perto dele, doou para seu irmão, que logo devolveu, afirmando que a caixa exalava um cheio muito ruim. Sem saber o que fazer pegou o objeto de volta e guardou em sua casa, passou um tempo e todos se reuniram para uma semana em família, mas logo todos relataram sonhos iguais e estranhos, que uma bruxa horrível lhe espancavam no rosto. Sem saber o que fazer, Kevin associa os acontecimentos a caixa e leiloa ela no “Ebay“.

Depois de vários acontecimentos relacionados ao objeto, mantido em segredo por Kevin, um segundo portador surge, querendo comprar a caixa.

O segundo portador foi um adolescente chamado Nietzke, que a arrematou por 140$. Ele era um estudante universitário de Kirksville, do estado americano de Missouri, e morava com outros adolescentes.

Não demorou muito para logo acontecer coisas inexplicáveis, segundo ele, queria impressionar algumas garotas e por isso abriu a caixa. Ele relatava tudo em seu blog pessoal, sentia odores estranhos pela casa, uma infestação de insetos e até o mau funcionamento dos aparelhos eletrônicos. Assustado, colocou o produto novamente no Ebay, leiloando para qualquer pessoa.

Não demorou muito para o nosso terceiro portador da Caixa Dibbuk entrar em ação, Jason Haxton, ele ouviu falar dessa caixa através de algum dos adolescentes que frequentavam a casa com Nietzke.

Jason acompanhou os relatos de Nietzke por um tempo em seu blog pessoal, gerando uma curiosidade ainda maior com o objeto. Quando conseguiu a posse da caixa, se sentiu muito feliz, pois queria analisar a caixa com cuidado e trabalho profissional.

Quando recebeu a caixa, coisas estranhas já começaram a acontecer, se sentia muito mal durante os dias, além de um gosto metálico na boca, congestão nasal e uma tosse muito forte.

Não sabendo mais o que fazer, pois sua família também estava sendo afetada, resolveu investigar a história mais a fundo, logo descobrindo Kevin Mannis, o primeiro portador da caixa.

Juntos conseguiram voltar até onde a caixa começou a circular, falando com a moça que vendeu o objeto a Kevin, que logo começou a relatar os fatos.

“Polônia 1938. Os judeus era perseguidos e mortos ao montes pelas ruas das cidades do país. Então, algumas mulheres decidiram fazer um ritual na tentativa de descobrir que pudesse ser feito para ajudá-los, e então fizeram uma espécie de Tábua Ouija e com um pêndulo conversaram com um espírito que se manifestou. Depois de várias sessões, o espírito então pediu para que elas o trouxessem do mundo das trevas até o nosso mundo. As garotas aceitaram, mas logo perceberam que ele era um espírito malígno e tentaram aprisioná-lo em um objeto, mas falharam na tentativa. Esse dia foi 10 de novembro de 1938, dia do “Kristallnacht” ou “Noite dos Cristais Quebrados”, onde mais de 1000 sinagogas em diversos locais da Alemanha e da Áustria foram destruídas e milhares de judeus enviados para campos de concentração. Após a guerra, uma das participantes da sessão fez um ritual e finalmente conseguiram aprisionar a entidade em uma caixa de vinho. Quando a proprietária da caixa de vinho onde o espírito foi aprisionado imigrou para os Estados Unidos, a caixa de vinho, junto com um baú e uma caixa de costura foram enviados com ela para sua nova moradia.”

A mulher que havia imigrado para os Estados Unidos se tratava da vó da garota que comandava a venda de garagem, ela havia lhe contado que na caixa continha um “Dibbuk” e que nunca deveria ser aberta, e quando morresse, queria que o objeto fosse enterrado junto com ela.

A mulher morreu aos 103 anos, e a caixa não foi enterrada com ela, pois era contra os métodos de enterro dos Judeus, então o objeto foi jogado no porão e mais tarde, sendo vendido para Kevin, que passou para Nietzke e terminou com Jason.

Depois de saber dessa história macabra, Jason iniciou uma pesquisa para saber qual ser estava aprisionado na caixa e ele acredita ser Harry Hamilton Laughlin, líder do movimento Eugênico, que foi a base para o início do Holocausto, produzido por Hitler.

Com a ajuda de Rebecca Edery, uma livreira judaica ortodoxa que vive no Brooklyn, eles foram capazes de descobrir a finalidade da caixa e segundo Rebecca:

“Para pôr fim aos infortúnios, a caixa precisa de um enterro formal, envolvendo um minimo de 10 homens, ou um grupo de oração.”

Tudo se acalmou quando Jason fez um ritual “wiccano” de exorcismo em 2004 e aprisionou o objeto em um baú feito de acácia folheada de ouro.

Atualmente a caixa está com Jason e não no museu dos Warrens, como muitas pessoas dizem.

Hoje existe diversos documentários e livros feitos pelo próprio Jason, além de um filme bastante conhecido, “Possessão”.