Autodestruição

comment10visibility148
Há 1 mês

A autodestruição que cometemos,
Rasgando a nós mesmos em partes,
Nos desleixando nesse ciclo
Interminável de horror,
Assombrado por vazio e orgulho
Com um tom sensível de amor.

Vivemos de ajoelhados ao medo
Devorados
Cuspidos
Para fora de nossa própria vida.

Na linha tênue entre sanidade e insanidade,
Imaginando os mais oriundos sonhos.
Pesadelos sem fim na costa do inferno.

A autodestruição causada pela insanidade
Que morde, arranha e sangra na casca mortal,
Em nossa pele sentimos o horror
Da existência pouco conhecida,
Da ignorância marcada pela mediocridade.

Vós somos humanos, vós somos cegos,
Não enxergamos de baixo de vosso próprio nariz,
O inominável poder arcano e repugnante
Que vive nos abismos de nossos desejos
mais carnais, na fome pelo oculto, pelo além.

Eis que enxergas mais?
Mais que todos os seus semelhantes?

Você não enxerga nada.
O rastro do antigo Universo,
Pouco antes das orgias cósmicas
Em nossa galáxia, antes deles,
Dos deuses, da loucura e da criação.

O ciclo destrutivo do Caos,
Estamos para sempre
Presos em eternas profecias diabólicas.

Mas há luz em meio a tudo isso,
Entretanto,
Ela não brilha desvairadamente
Em nossa direção.

A luz foge da escuridão,
Foge de pessoas como nós,
Dos escribas do intangível,
Pois, somos o próprio Abismo.

Comentários

Anônimo
Ótima poesia!
25/10/2020
Anônimo
Somos o próprio abismo... Muito bom!
25/10/2020
Anônimo
baita poesia
25/10/2020
Anônimo
eu amei
25/10/2020
Anônimo
Vale a pena a leitura! Parabéns Bro
25/10/2020
Anônimo
A leitura te instiga a querer mais, sem palavras
26/10/2020
Anônimo
Incrivelmente brilhante!
26/10/2020
Anônimo
Bom demais
26/10/2020
Anônimo
Parabéns ótima poesia
26/10/2020
Anônimo
O melhor do vale!!
26/10/2020