Olá, meu nome é Khing! Eu gostaria de lhes contar algo que presenciei há algumas semanas e ainda estou perturbado e assustado com o ocorrido, não consigo contar a ninguém que eu conheço.

Até pouco tempo, eu tinha um amigo chamado Robert, ou Rob para os mais chegados, e nós apesar de não sairmos muito, nos falávamos sempre pelo WhatsApp.

Nos conhecemos no ensino médio e acabamos por ser bons amigos, já que compartilhávamos dos mesmos gostos por música, jogos, séries, animes, cervejas, filmes e quadrinhos.

Rob sempre foi muito na dele e eu também e isso nos mantinha sempre quietos em nossos próprios cantos, mesmo tendo uma ótima amizade, afinal, um podia contar com o outro para qualquer ocasião.

Justamente por este motivo, Rob me mandou uma mensagem dizendo que estava assustado.

Eu estranhei, mas obviamente, me coloquei a disposição do meu amigo, até porque fiquei preocupado.

Ele me disse que acordou no meio da madrugada totalmente descoberto, disse que os cobertores estavam no chão e quando ele foi pegá-los, notou uma folha de caderno no meio deles e pegou a folha, mas não deu atenção na hora, apenas colocou no criado-mudo e voltou a dormir.

Quando acordou de manhã para trabalhar, percebeu a folha, se lembrou do ocorrido e a pegou.

Foi quando viu o que estava escrito nela e sentiu o corpo gelar.

Com certeza eu perguntei o que é que estava escrito no papel e ele me enviou uma foto.

No papel dizia: “Olá Rob, como vai? Meu nome é Trebor. Tenho te observado há anos e sendo bem direto, acho que você não merece mais sua vida. No entanto, vou lhe dar a chance de provar seu valor.

Você tem uma semana para concluir certas tarefas que vou lhe dar. Para cada tarefa não concluída, causarei danos em seu corpo quando estiver dormindo. Ao final de tudo, caso não cumpra mais da metade, eu cortarei você em pedaços e enterrarei a faca no seu peito.

Dividirei as tarefas uma para cada dia da semana e sendo hoje segunda-feira, lhe darei a tarefa de hoje e amanhã.

Você tem até amanhã para:

1 (segunda) -  matar qualquer animal mamífero e guardar o sangue em um vasilhame fechado.

2 (terça) – beber todo o sangue do animal.

Boa sorte, Rob!”

Eu não entendi como ele podia estar apenas assustado.

Perguntei como esse papel poderia ter chegado até a casa dele, ele disse que não fazia ideia, mas estava com muito medo daquilo ser real.

Eu primeiramente pedi que ele se acalmasse (como se eu não estivesse em pânico), e disse que apesar de ser terrivelmente perturbador, o melhor seria que ele passasse a noite acordado, fingindo estar dormindo para ver o que aconteceria, assim ele poderia provavelmente pegar o indivíduo de surpresa. Disse a ele que pegasse qualquer coisa que pudesse se defender e fizesse o teste.

Neste dia a noite, Rob de fato passou a noite em claro e nada aconteceu. Ele me mandou outra mensagem pela manhã dizendo que nada de estranho havia acontecido e que não sabe como pode ter surgido o papel, mas provavelmente se tratava de uma brincadeira idiota de alguém.

Mesmo virado, Rob foi trabalhar, precisava ir... Teve um dia tranquilo, apesar do cansaço e perguntei se notou algum tom de brincadeira no trabalho, mas não, ele disse que tudo estava normal e preferiu não tocar no assunto do que houve.

Ao chegar em casa, Rob apenas dormiu, estava exausto, ele se despediu e disse que nos falaríamos no dia seguinte.

Porém, pela manhã quando acordei, fui checar meu celular e vi as mensagens de Rob... Ele estava desesperado, me disse que estava com uma costela quebrada e também que havia uma faca enterrada em sua coxa esquerda. Disse também que não sabe como ocorreu, mas que acordou gritando de dor e com sua cama cheia de sangue.

Após me mandar foto de mais um papel, ele foi ao hospital.

No segundo papel dizia: “Rob, Rob, Rob... Você não pode me enganar. Já descumpriu 2 tarefas de 7, precisa  cumprir ao menos 4 de 5 para que não acabe tragicamente.

Certo, siga as orientações e cumpra as tarefas a seguir:

3 (quarta) – Coloque fogo em uma casa aleatoriamente, com os moradores ainda dentro.

4 (quinta) – Pegue seu carro e atropele alguém para matar.

Não me decepcione desta vez.”

Em seguida de ler, eu estava tremendo muito e suando frio... Aquilo era real e meu amigo estava já sofrendo as consequências.

Mandei mensagem para ele perguntando o que seria agora. As tarefas eram terríveis. Por que outras pessoas teriam de pagar para satisfazer as vontades de um sádico?

Rob me disse que receberia alta após ser tratado. Havia levado pontos, e seu tronco estava enfaixado devido a fratura. Ele disse que não poderia fazer aquelas coisas e estava apavorado demais.

Eu o disse para que ficasse em minha casa, que fosse direto do hospital, assim, seja lá o que ou quem estava o perseguindo, não poderia alcança-lo.

Chegando em minha casa, Rob estava muito debilitado e fraco. Além do estresse pós traumático, os remédios provavelmente estavam deixando-o lesado. Pedi que descansasse no quarto de hóspedes e depois que ele dormiu, fiquei de olho o máximo que pude e fui para meu quarto dormir também.

Infelizmente, não durou muito até que Rob acordasse gritando, mas ele me chamava “KHING... KHING... KHIIIING...”

Eu corri, chegando no quarto onde ele dormia, presenciei uma cena horrível.

Como se não bastasse o que ele sofreu antes, seu braço esquerdo estava inteiro queimado. Eram terríveis queimaduras de segundo e terceiro grau.

Eu o socorri imediatamente, o levei para o hospital novamente e chegando lá atenderam-no na emergência e vários questionamentos foram feitos sobre a lesão e não sabíamos o que dizer.

Nem na minha casa estávamos seguros, não sabíamos mais se estávamos lidando com algo deste mundo ou de outro, mas ao chegarmos, decidimos que seria melhor que Rob cumprisse as tarefas para que não morresse.

A tarefa de quarta feira já havia se perdido, restava então a tarefa de quinta, atropelar alguém para matar.

Rob estava muito abalado, mas eu tive que insistir para que iniciasse a tarefa, ele não poderia falhar em nenhuma mais, do contrário  com certeza morreria.

Rob então pegou o carro e fui com ele no banco do passageiro, antes retirei as placas para que não houvesse forma de nos identificar.

Chegando em uma rua, notamos um ponto de ônibus com 3 adolescentes de mochila, 2 garotas e 1 garoto provavelmente indo para a escola... Não havia mais ninguém... Colocamos as balaclavas e Rob acelerou.

Não deu nem tempo dos coitados correrem, foram acertados em cheio. Com certeza algum deles havia morrido, senão os 3. Ficamos péssimos, mas fomos embora.

Chegando de volta em minha casa, conversamos sobre novamente e chegamos ao consenso de que só restava esperarmos. Se a “coisa” se manifesta somente quando dormimos, o correto seria dormirmos e ver o que sucederia.

Não podia exigir nada de Rob, ele estava acabado emocionalmente e fisicamente, dormiu muito rápido. Eu me sentei numa poltrona ao lado dele e cochilei algumas vezes a noite, coisa de 20 ou 30 minutos de vez em quando.

Ao acordarmos, Rob e eu olhamos tudo em volta do quarto e nada encontramos, achamos bem estranho, afinal qual seria o próximo passo? Porém, quando Rob pegou seu celular, no bloco de notas havia um recado, era ele e dizia o seguinte: “Vejo que finalmente entendeu. Fico feliz! Suas chances são mínimas, mas ainda existentes. Os próximos passos são esses:

5 (sexta) – Entregue algum alimento envenenado a moradores de rua e veja-os morrer.

6 (sábado) – Contrate uma prostituta e corte a garganta dela durante o ato sexual.”

As tarefas eram muito complicadas de realizar. Ninguém em sã consciência tem estômago para tudo isso... Porém por sua própria vida, você acaba fazendo e eu apenas queria ajudar meu amigo.

Após lermos, pedimos uma caixa de esfihas por um aplicativo, compramos chumbinho num depósito de construção e colocamos bem moídos no meio das esfihas. Compramos uma caixa a parte para nós e saímos.

O primeiro grupo de moradores que encontramos, entregamos a caixa de esfihas envenenada e começamos a comer a nossa, assim geramos mais confiança neles.

Não demorou muito para que começassem a passar mal.

Ficamos ali estáticos, olhando sem dizer uma palavra... Eu particularmente fiquei horrorizado demais para dizer algo, suponho que o mesmo tenha acontecido com Rob.

Após todos pararem de se mexer, voltamos para a minha casa, ainda sem dizer uma palavra, mas Rob chorava o tempo todo, isso me deixou péssimo.

Ao chegarmos, Rob me perguntou se não era mais fácil que ele morresse, ele não estava suportando as mortes, o peso das vidas que tirou em prol de sua sobrevivência... Eu disse a ele que não podia se culpar por querer viver e que logo acabaria. Certamente os crimes que cometemos seriam investigados e mantivemos os recados como provas, mesmo sem saber se seriam suficientes, apesar das lesões no corpo de Rob.

Na madrugada de sexta para sábado, Rob e eu solicitamos os serviços de uma garota de programa, prontamente ela nos atendeu e disse que estaria na minha casa em no máximo 2h.

Certo, quando ela chegou, Rob foi para o quarto com ela e eu fiquei na sala, com a televisão ligada.

Eu não sei como aconteceu, não perguntei, mas posso dizer que não durou mais do que 20 minutos, Rob havia deixado uma faca no quarto, então fez o que tinha que fazer. Não ouvi gritos nem nada, apenas o som dos dois no quarto e depois um silêncio absoluto.

Quando Rob saiu, eu fui até o quarto ver... A garota estava nua de bruços sobre a cama e coberta de sangue, assim como os lençóis.

Rob foi até o banheiro direto, eu o ouvi vomitando e logo em seguida o chuveiro ligando.

Quando ele saiu, saímos de casa pois já era quase de manhã, passamos o resto do dia na rua, de lanchonetes em bares... Nada nos fazia esquecer...

Perto de anoitecer, concordamos que devíamos dormir um pouco, estávamos acabados. Era hora da última tarefa.

Chegamos em minha casa, Rob se deitou em um sofá e eu em outro, dormimos e o corpo da garota ainda estava no quarto.

Quando acordei, Rob já estava acordado e já segurava o papel com a próxima tarefa.

Eu perguntei o que seria agora, Rob ficou calado, insisti e ele sequer levantou a cabeça. Então peguei o papel e li... Neste momento fiquei em completo estado de choque.

Nele dizia:

"Muito bem, Robie! Muito bem! Fico orgulhoso de ver que está dando vigor a sua miserável vida.

Considerando que você não cumpriu 3, mas também cumpriu 3 das 7 tarefas, resta apenas a última que decidirá se você vive ou morre.

Sua última tarefa é:

7 (domingo) - Mate Khing com um taco de baseball."

Eu perguntei no que Rob estava pensando, tinhamos que fazer algo mais racional, afinal lutamos para que ele vivesse, eu não iria querer morrer.

Rob não falava nada, eu sugeri que deixássemos meu celular filmando quando chegasse a noite e nos preparassemos para quando a coisa viesse, se um de nós tinha que morrer naquela noite, morreríamos lutando.

Só então Rob reagiu, levantou do sofá me olhando, foi até o meu taco de baseball que ficava como enfeite em cima da TV, o pegou, me olhou e disse que então faríamos do meu jeito e não morreríamos como covardes.

Por um momento eu gelei, meu coração foi parar na garganta, mas a lealdade falou mais alto.

Chegando então a noite, posicionamos o celular para filmar o ambiente caso acontecesse algo que não pudéssemos ver. Depois ainda com o taco, Rob se sentou na cama encostado na cabeceira, ele estava exausto fora as feridas, eu fiquei de pé olhando pela janela, porém atento a tudo dentro do quarto.

Passado certo tempo, perguntei a Rob como ele estava se sentindo, não houve respostas, olhei para trás e ele havia pego no sono.

Tudo ainda parecia bem, tornei a olhar pela janela e alguns minutos depois, levei uma pancada forte na cabeça e desmaiei.

Bom... Eu não morri, obviamente, senão não estaria aqui contando isso para vocês, porém o pior aconteceu...

Quando acordei, Rob estava com as duas pernas decepadas caídas no chão, o braço esquerdo tbm havia sido cortado fora e a faca estava enterrada no meio de seu peito.

Eu não conseguia entender o que aconteceu, claramente Rob não me matou, se o assassino conseguiu mata-lo, porque não fez o mesmo comigo?

Peguei meu celular e fui ver o que havia gravado daquilo tudo.

Vi quando ainda estava tudo bem e avancei as cenas... Vi o momento em que olhei para trás, nos minutos que sucederam, Rob se levanta me bate com o taco, após o meu desmaio, ele pega uma faca debaixo do colchão, a faca é minha e não tenho ideia de como foi parar lá. Logo após pegar a faca, ele pega no criado-mudo um papel e caneta, escreve algo e quando acaba de escrever começa a cortar a perna esquerda fora, depois a direita enquanto o sangue jorrava como se ele não sentisse absolutamente nada, não havia expressão alguma no rosto dele... Depois das pernas Rob arrancou o braço esquerdo e perfurou o próprio peito, depois desferiu socos para enterrar mais fundo até que morreu.

A cena foi terrível, ele própria havia se matado, ele próprio causou tudo, mas porquê??

Fui até o papel e o que li esclareceu tudo... Nele dizia:

"Rob, você falhou e eu cumprirei minha promessa.

Agora ao menos descobriremos quem é o verdadeiro, já que apenas um de nós chegara ao outro mundo"

Minha ficha caiu de uma vez, Rob estava a sofrendo de transtorno dissociativo de identidade em um grau tão forte que sua contraparte, sua outra identidade, tinha ódio de dividir o mesmo corpo com ele e causou sua morte usando o medo e cansaço para enfraquecê-lo até poder concluir sua vontade.

Infelizmente foi tarde demais que percebi que Trebor é nada menos que Robert ao contrário, poderia ter ajudado Rob, mas acabei por ajudar Trebor.

Eu fugi, peguei meu carro e segui sem rumo pra bem longe de tudo, sei que serei preso pelos crimes, então fugi, afinal tudo que eu queria era ajudar um amigo.